Proteção veicular e cobertura contra terceiros: entenda como funciona

Proteção veicular e cobertura contra terceiros: entenda como funciona

Dirigir um veículo em qualquer situação, mas principalmente no trânsito dos centros urbanos, é um verdadeiro desafio para o nosso raciocínio e para os nossos reflexos. Você já parou para pensar na quantidade de elementos e sinais que precisamos estar atentos enquanto conduzimos nosso carro ou moto?

Vamos tentar contabilizar alguns? Só dentro do carro precisamos observar três retrovisores, manusear freios, câmbio, acelerador e embreagem, além da direção e dos controles auxiliares como setas, limpadores, ar-condicionado e sistema de som; quem anda com crianças ainda tem mais essa preocupação de ficar de olho nos anjinhos enquanto dirige.

Quando partimos para o mundo exterior só aumenta o grau de dificuldade: placas de sinalização, semáforos, faixas e sinalizações no asfalto, as condições de rodagem das vias, buracos, lombadas, pedestres, ciclistas, motociclistas costurando o trânsito, o veículo que transita à frente, atrás e aos lados, as condições climáticas a poluição visual e sonora e… Ufa! Será que conseguimos citar tudo?

No trânsito você é o tempo todo responsável tanto por si quanto por outras pessoas e, diante de tantas atribuições, é mais fácil do que se imagina acabar causando ou se envolvendo acidentes. É importante, portanto, além de preocupar-se com a segurança do seu próprio carro, também se resguardar de danos causados à integridade física ou ao patrimônio de terceiros.

De olho nessa demanda, as associações de proteção veicular oferecem cobertura de danos contra terceiros a seus associados, sobre a qual detalharemos melhor neste artigo. Acompanhe!

O que é a cobertura contra terceiros?

Em acidentes de trânsito envolvendo dois veículos, ou um veículo e um imóvel, ou mesmo um veículo e uma pessoa (transeunte), o que se segue é que o causador do acidente precisa arcar com os custos tanto do próprio prejuízo quanto do prejuízo causado ao terceiro. Um plano que ofereça esse tipo de cobertura servirá justamente para indenizar a outra parte prejudicada mediante alguns procedimentos comprobatórios.

Existem duas categorias de danos, sendo que a cobertura contratada pode abranger apenas uma delas ou ambas.

Danos materiais: cobre prejuízos a bens materiais, como reparos a pintura e funilaria, consertos em imóveis danificados em colisões, enfim, indenização referente ao danos a patrimônios de terceiros, inclusive no caso de perda total.

Danos corporais: cobre custos ligados a tratamentos hospitalares, despesas com reabilitação, medicamentos e indenização por motivo de óbito ou invalidez.

Como funciona a proteção veicular contra terceiros?

A contratação deste tipo de cobertura normalmente é oferecida como uma extensão opcional para os associados junto à cobertura completa ou até mesmo isoladamente se assim preferir. Nas duas modalidades de coberturas contra terceiros, o valor máximo da indenização paga fica limitada ao estipulado no contrato.

Algo importante neste tipo de cobertura é que nela não é necessário o pagamento de franquia. Ou seja, no caso do associado causar algum dano a uma terceira pessoa, após cumprir os procedimentos padrão de comunicação do acidente à Associação, não precisará desembolsar nenhum valor para ter acesso ao benefício, exceto se os prejuízos excederem o limite indenizatório previsto no contrato.

Como são realizados os pagamentos?

Além de preencher uma comunicação do acidente para a Associação responsável, alguns documentos pessoais do associado e do terceiro precisarão ser entregues. O caso passará por uma análise perante o corpo de peritos da associação e o motorista também deverá assumir a responsabilidade na causa do acidente para dar mais celeridade ao processo.

Em caso da necessidade de reparos ao veículo, a Associação poderá realizar o pagamento diretamente para a empresa que realizar a manutenção. Em caso de sinistros que envolvam perda total, o valor integral do veículo será pago ao terceiro, normalmente com base nos valores da Tabela FIPE, respeitando o limite indenizatório contratado.

Em casos de dano corporal, as despesas hospitalares deverão ser analisadas caso a caso, podendo haver reembolso posterior das despesas comprovadas. No caso das indenizações por óbito ou invalidez, pode ocorrer acerto consensual entre as partes ou o pagamento de valor estipulado juridicamente.

Esperamos ter esclarecido com este artigo os principais pontos sobre a cobertura contra terceiros no âmbito da proteção veicular. Simule os valores junto à sua associação e pense bem se vale a pena ter apenas o seu patrimônio protegido enquanto os danos a terceiros também podem lhe render muito prejuízo!

Se achou este conteúdo útil assine a nossa Newsletter para continuar recebendo novos artigos, ou deixe-nos uma mensagem nos comentários com as sua opinião!

Cadastre para receber novidades

loading...