5 dicas de manutenção preventiva para o seu carro

5 dicas de manutenção preventiva para o seu carro

Em alguns casos, você mesmo pode fazer. Em outros, uma visita ao posto de gasolina pode resolver. Por vezes, o caso é de oficina mecânica. O fato é que a manutenção preventiva do carro é mais do que uma necessidade, trata-se de uma maneira financeiramente saudável de lidar com algo que, se ignorado no dia a dia, pode se tornar um pesadelo.

Alguns motoristas preferem deixar essa tarefa para profissionais, mas um pouco de conhecimento básico pode economizar muito dinheiro e gerar mais segurança e tranquilidade.

Neste artigo, apresentaremos algumas dicas que podem auxiliar o motorista a deixar o seu carro em dia e evitar problemas mais graves. Acompanhe a seguir.

Vantagens de fazer a manutenção preventiva

Entre as principais vantagens dessa prática, destacam-se:

  • Proporcionar mais segurança.
  • Preservar a garantia de carros novos.
  • Assegurar o bom desempenho do veículo.
  • Gerar menos custos (a manutenção corretiva, depois que o problema se agravou, irá custar bem mais caro - estima-se que 40% a menos).
  • Evitar consumo excessivo de combustível.
  • Proteger seu carro contra a desvalorização.
  • Aumentar a vida útil do veículo.
  • Evitar imprevistos na estrada.
  • Reduzir as possibilidades de causar um acidente de trânsito.

Dicas práticas de manutenção preventiva

Na hora de pensar na manutenção preventiva de seu carro, o primeiro passo deve ser consultar o manual do veículo para verificar as ações e intervenções mecânicas previstas pelo fabricante bem como os intervalos entre elas que foram estipulados para o bom funcionamento do veículo.

A partir disso, há algumas ações cotidianas que você mesmo pode colocar em prática de modo complementar à manutenção preventiva realizada na oficina mecânica de sua confiança. Entre essas ações, estão:

1. Óleo do motor

O óleo é o item mais básico e fácil de ser verificado, com exceção da gasolina. Estacione o carro em um piso nivelado, vá até o motor, retire e limpe a vareta que mede a quantidade de óleo. Feito isso, coloque a vareta no local, retire-a novamente e veja se o óleo bate entre as marcas de mínimo e máximo.

Em caso positivo, o óleo do seu motor está ok, se está abaixo do mínimo, é preciso colocar mais, já se está acima do máximo, é preciso esvaziar o seu reservatório até que o nível esteja dentro do limite.

Se precisar colocar mais óleo, o manual do seu carro deverá indicar qual é o tipo de lubrificante adequado. Já em caso de excesso de óleo, é necessário tomar cuidado com o descarte desse material, que pode ser feito em locais próprios de coleta ou até em postos de combustível.

É importante estar atento também sobre as indicações de troca de óleo indicadas no manual do proprietário de cada modelo de carro. Caso fique com dúvidas, consulte um profissional. A utilização de produtos inadequados pode ser muito prejudicial ao seu veículo.

2. Gasolina de qualidade

Abasteça no seu posto de combustível de confiança. Nas últimas consequências, a gasolina de má qualidade ou adulterada pode ocasionar até mesmo a perda do motor do seu carro.

Fique atento a “engasgamentos” do seu veículo, perda de potência, dificuldade de dar a partida e ao aumento no consumo de combustível. Caso identifique esses problemas, o mais recomendado é que seja feita uma revisão no carro e uma limpeza de diversos itens do motor.

3. Velas

Assim como a gasolina ruim, as velas de ignição, quando em mau estado, podem afetar o consumo de combustível do seu carro. Cada montadora de carros utiliza a marca de sua preferência, portanto é importante estar atento ao que é indicado no manual do proprietário sobre a troca desses componentes.

Em alguns casos, a quilometragem indicada para essa substituição é de 20 mil quilômetros rodados, em outros, de 30 mil, mas pode ser até de apenas 10 mil quilômetros conforme o modelo do veículo.

4. Filtros

Os filtros de ar, óleo, combustível e ar-condicionado devem ser trocados anualmente. Algumas marcas indicam que os filtros de ar, além de serem trocados todos os anos, devem ser limpos com ar comprido a cada 7 mil quilômetros, mas, segundo especialistas, essa limpeza não é tão eficaz quanto a troca desses componente.

5. Pneus

Cheque semanalmente a calibragem dos pneus, seguindo as orientações do manual do seu veículo. Você sabia que, conforme dados, uma redução de 10% na pressão pode representar 5% a mais de consumo de combustível?

Ainda, é importante fazer o alinhamento e o balanceamento para evitar o desgaste excessivo dos pneus e a perda de segurança na direção. Geralmente, recomenda-se executar esse serviço, no máximo, a cada 10 mil quilômetros rodados.

E você, já adota esses cuidados de manutenção preventiva? Tem outras dicas para compartilhar? Deixe sua mensagem nos comentários!

Cadastre para receber novidades

loading...