5 passos para comprar seu carro seminovo com segurança

5 passos para comprar seu carro seminovo com segurança

Se essa é a primeira vez que você vai comprar um carro seminovo ou usado, saiba que este é um mercado com algumas peculiaridades que o diferenciam do que as pessoas que estão acostumadas a adquirir carros zero quilômetro conhecem. Neste último caso, basta ir à uma concessionária, escolher o modelo e a forma de pagamento e ele é seu. Mas comprar um veículo que tenha passado pelas mãos de outra pessoa é algo que demanda muito mais atenção e cuidado.

Por mais bonito que seja o carro, não se deve confiar apenas no exterior, sem ter ideia alguma de como ele foi tratado anteriormente pelo dono. O primeiro diferencial aqui é que você irá negociar diretamente com o vendedor (no caso, o dono).

Para ser considerado seminovo, um veículo deve:

  • possuir no máximo três anos de fabricação;
  • ter tido apenas um dono;
  • ter circulado por, no máximo, 20 mil quilômetros por ano.

Caso contrário, são considerados usados. Mas isso não quer dizer que não possam ter um estado de conservação melhor que muitos seminovos. Tudo vai depender da maneira como foram cuidados pelos donos. Agora vamos às dicas para comprar o seu seminovo de maneira segura!

Se atente aos detalhes

Não se deve deixar levar apenas pelo visual, mas isso não quer dizer que ele não seja importante. Observe com cuidado o estado da funilaria, procure por arranhões ou avarias na pintura, o estado dos pneus e do conjunto de suspensão. Para isso, basta se apoiar sobre o carro e dar uma balançada. Se ele se mexer demais, é porque está com problema nos amortecedores.

É muito difícil encontrar um vendedor que seja totalmente honesto a respeito do carro, principalmente quando se trata de batidas, por isso a inspeção visual deve ser feita com ele limpo, em um local claro, para que qualquer problema na lataria seja facilmente identificado.

Confira a situação dos impostos

IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículo Automotor), DPVAT (Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de vias Terrestres) e licenciamento são os principais impostos para que o documento do carro fique em dia. O segundo serve para amparar vítimas de acidentes de trânsito, tenha a pessoa sido culpada pela situação ou não.

Todos os dados podem ser checados no sistema do Detran: basta verificar a placa e o número do Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores). Assim, possível verificar se há multas ou impostos pendentes, seus valores e outras restrições, como financiamentos não quitados, envolvimentos em processos judiciais e bloqueios por falta de transferência.

Verifique o motor

O motor é o coração do carro, e seu estado é uma característica que não deve se deixar de conferir em hipótese alguma, sendo parte determinante na hora da compra. Dessa forma, é recomendado que se abra o capô também, em vez de apenas verificar a estética e os itens opcionais. Se a fumaça estiver mais densa e com cor escura, se há vazamento de óleo nas juntas e ruídos anormais, não precisa pensar mais de uma vez para constatar que o motor não está em boas condições. É um item caro, por isso o ideal é fazer um check-up total para não ter um prejuízo lá na frente.

Consulte um profissional que entenda do assunto

Pode ser amigo, familiar, alguém que você conhece há anos… Não interessa, não se deve confiar cegamente em ninguém na hora de comprar um carro seminovo. Além de checar tudo o que foi dito, não hesite em levar um mecânico ou um profissional do ramo automotivo de confiança na hora da vistoria. Ele saberá dizer se o veículo está em boas condições ou não.

Se puder levar o veículo à uma oficina, melhor ainda. Lá, poderão ser checados vários fatores, como possíveis danos no motor, peças que foram trocadas, danos causados por enchentes e detalhes estéticos que possam denunciar batidas.

Faça um test-drive

Se a procedência do automóvel e seus itens de segurança já foram verificados e você tem certeza de que ele é o que procurava, só resta saber ele vai atender ao que você espera em ação, e para isso, só pegando no volante. Parece bobagem, mas é importante haver compatibilidade entre carro e motorista, além de ser importante descobrir algum possível defeito no funcionamento. Você já dirigiu um carro ao qual não conseguiu gostar de jeito nenhum? Imagine só comprar um que te faça sentir assim e saber que terá que aguentá-lo por muito tempo…

Este artigo foi útil para você? Seu feedback é muito importante para nós. Deixe seu comentário, curta, compartilhe e assine a nossa newsletter!

Cadastre para receber novidades