Bateu o carro! E agora?

Bateu o carro! E agora?

Acidentes de trânsito são corriqueiros no dia-a-dia das cidades, mas nem por isso as pessoas desejam passar por tal experiência. Basta uma fração de segundo para que aconteçam. Alguns inevitáveis, outros nem tanto. Por isso, é sempre importante bater na tecla de que cada mínimo cuidado é indispensável, pois são eles que podem livrar você de algo mais grave. Mas, às vezes, nem toda precaução é capaz de evitar que aconteça um acidente. Para que você não se desespere, o texto de hoje vai te mostrar como proceder caso você se envolva em uma batida de carro.

Mantenha a calma

A primeira regra para como se comportar nessas situações é clara: seja racional e objetivo. Claro que nem sempre é possível, já que o conflito criado com um total desconhecido favorece a projeção de sentimentos hostis e agressividade, além da conduta da maioria em não assumir a culpa mesmo estando errado. Quando um dos lados apela para isso, a melhor coisa a se fazer é evitar o confronto, coletar os dados necessários e apelar para os trâmites legais.

Para atendimento a terceiros, a proteção veicular poderá ou não ser acionada, tudo depende do seu contrato. Se o responsável pelo veículo não tiver cobertura para terceiro, a recomendação é fazer com que a pessoa envolvida na batida arque com os reparos. Se não houver acordo, a parte lesada pode entrar com processo para ser indenizado com o ressarcimento das despesas.

Devo tirar o carro da via?

Muitas vezes, não vai ser possível mover o carro, se os danos forem mais graves. Se não houve feridos e for viável, procure estacionar em um lugar seguro, de maneira que não obstrua o trânsito, para não causar mais acidentes. Caso seja possível retirar o carro e isso não for feito, o motorista estará sujeito a perder quatro pontos na CNH e receber uma multa de R$ 130,00. Se não for possível a retirada, solicite um guincho imediatamente, seja pela companhia de trânsito municipal ou pelo seu serviço de proteção veicular.

Lembre-se de sinalizar a área com um triângulo, posicionando-o a pelo menos 30 metros do local. Dessa forma, você evita outros acidentes. Mesmo que seja durante o dia, o pisca alerta deve permanecer ligado.

Se necessário, preste socorro

Deve ser chamado socorro médico imediatamente, assim como boletim de ocorrência e a perícia. Jamais movimentar os feridos, pois isso pode causar graves sequelas. Aguarde a chegada de socorro médico e da polícia.

É importante ressaltar que omissão de socorro, além de ser uma infração gravíssima, penalizada com multa e suspensão do direito de dirigir, é crime passível de detenção tanto pelo Código de Trânsito quando pelo Código Penal, sendo que as vítimas deverão ser indenizadas pelo Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, o DPVAT ou pelo seguro APP (Acidente Pessoal de Passageiros)!

Boletim de ocorrência

É indispensável para acionar a proteção veicular. Mesmo se não houver feridos, é importante registrar B.O para fins de preservação dos direitos. Quando não há vítimas, o boletim pode ser feito em qualquer posto da PM ou até mesmo pela internet, devendo detalhar a cronologia do acidente, com dados dos veículos, documentos dos motoristas e das testemunhas, se possível.

Bater na traseira nem sempre é sinal de culpa

É equivocada a afirmação de quem bate na traseira sempre tem culpa. De acordo com o artigo 42 do Código Brasileiro de Trânsito, nenhum condutor deve frear o veículo abruptamente, com exceção para situações de segurança. Existe também o caso de o motorista mudar de direção sem dar a seta. Em tais circunstâncias, quem está atrás pode ser livrado da culpa.

O que é necessário para realizar a vistoria?

Para fazer a vistoria, basta ter em mãos o número da ocorrência que será passado pelo serviço de proteção veicular, além de documentos de praxe, que podem variar de uma empresa para outra. O importante é manter a rapidez no envio para que o processo se desenrole mais rápido

Quais documentos são necessários em caso de perda parcial?

  • B.O. da Polícia Militar;
  • B.O. da Polícia Civil;
  • Documento Único de Transferência;
  • C.N.H.

Quais documentos são necessários em caso de perda total?

  • B.O. da Polícia Militar; 
  • B.O. da Polícia Civil;
  • Documento Único de Transferência;
  • C.N.H;
  • Comprovante de residência;
  • CPF;
  • RG Cópia da última parcela paga (em caso de veículos financiados ou adquiridos via consórcio).

Este artigo foi útil para você? Seu feedback é muito importante para nós. Deixe seu comentário, curta, compartilhe e assine a nossa newsletter!

Cadastre para receber novidades